mais jovens para o setor agrícola
Plano de ações para impulsionar o rendimento e atrair mais jovens para o setor agrícola
azeite com melhor qualidade do mundo
Portugal produz o azeite com melhor qualidade do mundo
mais jovens para o setor agrícola
Plano de ações para impulsionar o rendimento e atrair mais jovens para o setor agrícola
azeite com melhor qualidade do mundo
Portugal produz o azeite com melhor qualidade do mundo

08 de julho de 2024

Transição para Sistemas Alimentares Sustentáveis

Foto em Unsplash

A Feira Nacional da Agricultura ocorreu no passado dia 14, com o Simpósio “Farm to Fork” - Transição para Sistemas Alimentares Sustentáveis.

Inserido na Feira Nacional da Agricultura, ocorreu no dia 14 de junho o Simpósio “Farm to Fork”, com o objeto da Transição para Sistemas Alimentares Sustentáveis, evento organizado pela Escola Superior Agrária (ESAS) do Instituto Politécnico de Santarém.

Este evento reuniu estudantes, agricultores, professores, investigadores e outros stakeholders, com o intuito de discutir desafios e oportunidades da transição para sistemas alimentares mais sustentáveis.

Deste modo, são diversos os projetos de investigação coordenados pela ESAS, desde a Rede SusTERRA, SoilLife1st e SPIN Sustainable ProteIN, todos financiados pelo PRR, bem como a participação da mesma no projeto CRIKIT, onde várias temáticas da “Farm to Fork” são abordadas, como por exemplo a saúde do solo ou a análise da sustentabilidade de produtos e sistemas, ou até o desenvolvimentos de novos alimentos mais sustentáveis. 

As Mesas Redondas visaram a discussão de desafios e oportunidades, dando destaque à implementação de políticas públicas robustas, o incremento da literacia alimentar por parte do consumidor e a inovação tecnológica como essenciais para criar um sistema alimentar resiliente e sustentável, capaz de alimentar a população global de forma saudável e responsável, recorrendo a proteínas alternativas, como os insetos edíveis, preservar os ecossistemas terrestre e aquático, valorizando espécies não nativas como o Siluros glanis, incrementar a resiliência de proteginosas como o chícharo e grão-de-bico e produzir proteína de origem animal em áreas agrícolas em regimes de produção sustentáveis, como a agricultura regenerativa.

Além disto, a importância da abordagem holística dos sistemas agrícolas para a resiliência climática e sustentabilidade e referida como um ponto forte a colaboração institucional.



Fonte: Revista Voz do Campo, edição de junho