AJAP lança plataforma inédita para Jovens Agricultores e Jovens Empresários Rurais
Vinhos Verdes aumentam seguro de colheitas para 35 cêntimos por quilo
AJAP lança plataforma inédita para Jovens Agricultores e Jovens Empresários Rurais
Vinhos Verdes aumentam seguro de colheitas para 35 cêntimos por quilo

16 de março de 2023

Projeto português Alphamais apresenta novos produtos alimentares à base de alfarroba

O projeto Alphamais desenvolve novos ingredientes e preparados alimentares funcionais, através da alfarroba.

Esta iniciativa portuguesa foi financiada pelo Norte 2020 e pelo Algarve 2020 e utiliza a biotecnologia para formular novos ingredientes a partir da alfarroba.
O projeto durou três anos e teve como mote o facto de Portugal ser o maior produtor de alfarroba a nível mundial, bem como mais de metade dessa produção servir para exportar para fora.
Relativamente aos resultados, a investigadora do Centro de Biotecnologia e Química Fina da Universidade Católica Portuguesa, Manuela Pintado, afirma que os mesmos foram “a obtenção de novos ingredientes e preparados alimentares funcionais, utilizando de forma integral a alfarroba, com recurso a soluções biotecnológicas de micronização e de extração de compostos. Foram ainda valorizados subprodutos de alfarroba com vista à obtenção de ingredientes e preparados alimentares funcionais, explorando o ingrediente na sua totalidade, numa lógica de desperdício zero”
Por outro lado, o projeto tem vindo a ser considerado como uma “nova visão sobre produtos a desenvolver com este fruto e foi importante o estudo do comportamento deste novo produto em misturas aquosas e com leite na presença de açúcar”, tal como afirma Margarida Vieira, investigadora do MED­– Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento.
O projeto Alphamais pretende aumentar o valor da alfarroba como ingrediente natural, com o intuito de evolução na área internacional. A empresa Decorgel, o Centro de Biotecnologia e Química Fina da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa, o Centro de Investigação MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento e o Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve foram entidades envolvidas neste projeto.


Fonte: Vida Rural