instituto do vinho do douro
Comissão Europeia aprova mobilização de 15 milhões de euros para resolver crise de excedente de vinho em Portugal
reprogramação do PEPAC
Produtores florestais preocupados com reprogramação do PEPAC
instituto do vinho do douro
Comissão Europeia aprova mobilização de 15 milhões de euros para resolver crise de excedente de vinho em Portugal
reprogramação do PEPAC
Produtores florestais preocupados com reprogramação do PEPAC

10 de julho de 2024

Avanços e recuos no setor de produtos resíduo zero

Foto em Unsplash

Neste artigo vemos a perspetiva do CEO da empresa Biostasia, que fala sobre a inovação e sustentabilidade no setor de produtos resíduo zero.

Carlos Gabirro é o CEO da empresa Biostasia, empresa que está na vanguarda da inovação agrícola, tendo vários produtos à disposição de resíduo zero, que integram a agricultura e simultaneamente o ambiente em geral. Segundo o CEO, a empresa tem “uma gama muito completa, - modéstia à parte, - desde proteção à fertilização e inclusivamente temos a área dos microrganismos”.

A Biostasia apresenta muitos produtos novos de forma bastante rápida, sendo que esse facto chega a constituir um desafio, “temos dificuldade em implementar comercialmente até para fixar muitas vezes a ideia do comercial, porque temos sempre produtos novos”, afirma Carlos, na medida em que é crucial preparar-se antecipadamente para pragas e aproveitar as oportunidades do mercado eficientemente.

Posto isto, existe uma independência da Biostasia no que toca ao financiamento e desenvolvimento de projetos, que, apesar de ser desafiante, permitiu à mesma ter o controlo total relativamente às suas inovações e estratégias. Assim, o grande motivo de orgulho passa pelas suas soluções naturais e tecnológicas que garantem a segurança e a eficácia dos produtos resíduo zero.

O uso de nanotecnologia é algo que destaca a Biostasia, utilizado para desenvolver soluções de fertilização e proteção com doses significativamente menores que os métodos tradicionais, passando de 150/200 kg por hectare a 2 ou 3 litros por hectare, proporcionando uma produção mais eficiente e ecológica.

A fim de demonstrar resultados, a Biostasia recorreu a campos de demonstração. “Em 2023 e 2024, temos na Universidade de Évora e na Estação Vitivinícola da Bairrada, por exemplo, ensaios em vinha sempre com testemunhos no método tradicional. Mas em 2023 foi o olival em Trás-os-Montes que mais nos surpreendeu ao aplicarmos planos completos de Modo de Produção Resíduo Zero: Os resultados são impressionantes, pois para além de reduzirmos os custos do cliente ainda tivemos aumentos significativos na produção”.

Ora, mas de que se trata o Resíduo Zero? Trata-se de um sistema de produção agrícola certificável, que combina o uso de fitofármacos de origem química e biológica, com o objetivo de obter um produto livre de resíduos e pesticidas residuais.

Mesmo sendo utilizados fitofármacos em alguma fase do processo produtivo, é garantido que os produtos chegam à loja com resíduos abaixo dos limites legais, o que faz com que a exploração seja mais sustentável, uma vez que consome menos recursos, apresenta uma pegada carbónica menor e promove a biodiversidade devido à seleção mais criteriosa dos fitofármacos.

Assim sendo, a certificação Resíduo Zero apresenta os objetivos de aumentar a confiança do consumidor; Produzir alimentos seguros; Garantir um alto nível de qualidade dos produtos e Respeitar o meio ambiente.

Em síntese, a agricultura Resíduo Zero desafia os agricultores a reduzir o número de tratamentos fitossanitários e a adotar soluções registadas e certificadas. Consequentemente agrega valor ao seu produto. 

 

Fonte: Revista Voz do Campo